A queda do Império Europeu: Terrorismo, Imigração, Fronteiras – por Elisabeth Lévy

A Viagem dos Argonautas

Falareconomia1

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

A QUEDA DO IMPÉRIO EUROPEU: TERRORISMO, IMIGRAÇÃO, FRONTEIRAS

Elisabeth Lévy, Revista Causeur – publicação autoriza

Causeur_svg

* Agradecemos à autora Elisabeth Lévy e à Revista Causeur.

1

Refugiados BLOQUEADOS na fronteira entre a Hungria e a Sérvia (Setembro de 2015).

Sipa. número do relatório: 00723425_000001.

Desintegração, naufrágio, queda, impotência, abulia: quando queremos colocar a Europa num destes registos, hesitamos entre dois registos semânticos, o da catástrofe e o da patologia. Mesmo os melhores crentes não podem ignorar que a sua bela quimera de todos os povos da Europa (esperando por poder dizer todos os povos do mundo) a darem-se as mãos para avançar para um futuro brilhante liberto no futuro de guerras e dos “egoísmos nacionais” está ainda para nascer.

Vista socialmente a partir de baixo, a Europa evoca um tipo de oficial-ajudante que se mete em tudo, que impõe regras absurdas para nos alimentarmos…

View original post mais 1.288 palavras

Advertisement

Não é a Uber que tem de mudar, são os táxis

Farrusco

Em poucos minutos uma viatura de boa qualidade, chega ao local definido com um motorista educado para o levar ao seu destino. Música? Pode escolher já que se tiver a aplicação “Spotify” ligada no seu telefone, a música é a sua. Preço? Na versão básica da Uber, a Uber X, é mais barato do que um táxi.  Chegando ao final, o valor é cobrado diretamente no seu cartão de crédito o que acaba com o tradicional… “é que não tenho troco para notas de 5 euros”. No final, recebe no seu telefone um recibo e um pedido para avaliar o serviço entre 1 a 5 estrelas.

 Claro que um serviço como este tem tido imensas reclamações por parte dos proprietários dos táxis, que acusam a Uber de ser inseguro, ilegal, pouco profissional e de roubar empregos. Em vários países já se registaram ataques violentos de taxistas aos motoristas do Uber…

View original post mais 561 palavras

No 25 de Abril: os riscos para a liberdade e para a democracia

A Estátua de Sal

(José Pacheco Pereira, in Sábado, 29/04/2016)

Autor                      Pacheco Pereira

Em 2016, ainda tem sentido comemorar o 25 de Abril? Tem todo o sentido. Está a liberdade adquirida? Podemos descansar nas comemorações do passado? Não. Não está. Não podemos descansar. Três riscos corre hoje a nossa liberdade:

1. Primeiro, o risco de perdermos o controlo democrático sobre o nosso país. O risco de que o nosso voto valha menos ou não valha nada. O risco de ter um parlamento que não pode cumprir a sua mais nobre função: decidir sobre o orçamento dos portugueses. O risco de termos também nós, como os colonos americanos no taxation without representation, e que fizeram uma revolução por causa disso. O risco de sermos governados de fora, por instituições de dúbio carácter democrático, que decidem sobre matérias de governo, em função de interesses que não são os interesses nacionais, e cujos custos o povo português…

View original post mais 790 palavras

Para a nossa direita radical o Papa é do MRPP

A Estátua de Sal

(José Pacheco Pereira, in Público, 30/04/2016)

Autor               Pacheco Pereira

É muito interessante ver aquilo que são os bas-fonds da nossa direita radical, entre comentários, blogues e twitter.


Peço desculpa ao Papa por usar o seu Santo nome em vão. Peço desculpa ao MRPP ao chamá-lo para estas coisas entre a santidade e asneira. Mas é muito interessante ver aquilo que são os bas-fonds da nossa direita radical, entre comentários, blogues e twitter.

Não, não estou a falar do PNR, estou a falar de apoiantes do PSD e do CDS, do extinto PAF, muitos “jotas”, mas também gente adulta que enfileirou nos últimos cinco anos do “ajustamento”, vindas de alguns think tanks e amadores da manipulação comunicacional que se formaram nestes anos. São também alguns colunistas no Observador, no Sol, no extinto Diário Económico e nos sites que estes jornais patrocinam com colaboração gratuita para formar uma rede de…

View original post mais 1.108 palavras

Afinal, em que pé estamos?

A Estátua de Sal

(Baptista Bastos, in Jornal de Negócios, 29/04/2016)

bb1 Baptista Bastos

Há muito tempo que não tínhamos um Presidente da República com este estofo e estilo. Lembra os primeiros Presidentes republicanos, que se misturavam com o povo para o sentir e ouvir.


As comemorações do 25 de Abril tiveram, este ano, uma enorme dimensão de afecto e de participação. As condições políticas e sociais são outras. E o próprio Presidente da República, com a presença e palavras estimulantes, “descrispou” o sufocante ambiente em que vivíamos. “A Direita terá de encontrar outro caminho”, disse, depois de apelar a consensos no que considera fundamental. Marcelo Rebelo de Sousa percebe, e disse-o, que não podemos andar em campanhas eleitorais permanentes, pois os ideais democráticos desgastam-se. Não esqueçamos de que Marcelo, há anos, disse que “a Direita é a mais estúpida da Europa.” E não parece ter alterado a opinião. Não sei se é a “mais…

View original post mais 459 palavras

Um certo Abril*

A Estátua de Sal

(Baptista Bastos, in Correio da Manhã, 27/04/2016)

bb1 Baptista Bastos

O que foi não voltará a ser. Mas temos de estar sempre preparados para a felicidade, acaso para a descobrir ou inventar. As imagens ditosas desses dias antigos estão delidas. Fomos envelhecendo quase sem dar por isso e aquele ali já não sou eu, nem ela é ela: somos outros com a absurda ilusão de que somos os mesmos.

Passámos pelo tempo. O tempo não magoa: pune; não damos por ele, mas ele dá por nós. Numa igreja dos Altos Pirenéus está inscrita esta sentença, em forma de velado aviso: “Todas as horas nos ferem; a última mata-nos.”

Vivemos rodeados de perigos; porém, o prestígio da palavra revolução exultava-nos e convidava-nos a ir em frente. As revoluções são produto de jovens: são os beijos que nos eram proibidos, os beijos frescos e felizes que prendiam o tempo, e parecia que os…

View original post mais 189 palavras

Mariana Mortágua, Líder da oposição

A Estátua de Sal

 (In Blog O Jumento, 28/04/2016)

via Mariana Mortágua, Líder da oposição — O JUMENTO

mariana_mortagua

É suposto o governo governar e a oposição procurar discutir as suas decisões apresentando alternativas. Se o critério para definir o que é ser oposição for este teremos de concluir que quem lidera a oposição em Portugal é a Mariana Mortágua.

Outro critério poderá ser o da visibilidade pois a comunicação social comportar-se-á como os espectadores de um jogo de ténis, olham alternadamente para o primeiro-ministro e para o líder da oposição, neste caso também não restarão dúvidas de que a Mariana Mortágua é mesmo a líder da oposição, a seguir ao primeiro-ministro e ao Presidente da República é o político (ai que me vão chamar nomes por causa dessa coisa do género) que mais está presente nas primeiras páginas.

Passos Coelho andou quase seis meses armado em primeiro-ministro no exílio, no congresso prometeu ser activo e…

View original post mais 329 palavras

Economista denuncia caixa de empresários para financiar o golpe

bloglimpinhoecheiroso

Fiesp_Moro_Pato01 Campagnolo com Moro no Paraná; Firjan e Fiesp unidas com o pato em Brasília; Heitor José Muller tomou posse na presença de Dilma, mas…

Ação popular questionará uso de dinheiro público.

Via Viomundo em 3/4/2016

“O Brasil chegou a um impasse político que precisa ser resolvido com urgência, respeitando as possibilidades legais, entre elas o processo de impeachment previsto na Constituição. Do equacionamento da crise política depende a retomada da economia, hoje em forte declínio”.
Nota da Fiergs, do Rio Grande do Sul, comandada por Heitor José Mueller

“Podemos ter um novo governo no início de maio, se o Congresso trabalhar no sentido que precisa trabalhar. Vamos mostrar aos parlamentares da obrigação deles, de votar para o Brasil, mudando a presidente do Brasil o mais rapidamente possível”.
Declaração de Eugênio Eugênio, da Firjan, Rio de Janeiro

“Posição favorável ao andamento do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Congresso…

View original post mais 1.673 palavras

O que é que se passa com as taxas negativas?

A Estátua de Sal

(Joseph E. Stiglitz, in Expresso, 23/04/2016)

Autor Joseph Stiglitz

Para os bancos centrais, a taxa de juro é a ferramenta chave. Se uma positiva não chegar, então, uma negativa deve resultar. Mas isso não funciona.

NOVA IORQUE — Escrevi, no início de janeiro, que estimava que as condições económicas este ano seriam tão fracas como em 2015, esse que foi o pior ano desde que a crise financeira mundial eclodiu, em 2008. E, à semelhança do que já aconteceu várias vezes na última década, após passarem alguns meses do ano, outras previsões mais otimistas estão a ser reavaliadas de forma descendente.

O problema subjacente — que tem atormentado a economia mundial desde a crise, mas que piorou ligeiramente — é a falta de procura agregada global. Agora, em resposta, o Banco Central Europeu (BCE) reforçou o seu estímulo, juntando-se ao banco do Japão e a um par de outros bancos…

View original post mais 1.040 palavras

Pior do que ’tá fica

A Estátua de Sal

(João Quadros, in Jornal de Negócios, 22/04/2016)

quadros João Quadros

Depois de ter visto em directo o espectáculo da votação do “impeachment” na Câmara dos Deputados fiquei com a sensação que a corrupção é bem capaz de ser um problema menor.


Olhando para os deputados que representam a enorme nação brasileira, começa o meu espanto porque não sabia que havia tão poucos negros no Brasil e tão poucas mulheres. Na Câmara dos Deputados ainda há menos negros do que nas novelas da Globo e muito menos mulheres jeitosas. Uma pessoa olha para aquele Parlamento, num país como o Brasil, não há negros, quase não há mulheres, só falta haver fado e aquecimento central.

Quando liguei a televisão, aquilo que vi , naquela Câmara de Deputados, parecia uma largada de deputados Carlos Abreu Amorim. Enrolados em bandeiras com o lema “Ordem e Progresso”, os deputados do “sim” apuparam mulheres enquanto falavam, uivaram…

View original post mais 361 palavras