Passos Coelho e o álbum de recordações

A Estátua de Sal

(Estátua de Sal, 28/08/2015)

Há quem diga que Passos Coelho é mentiroso. Numa sondagem realizada recentemente esse era o defeito que os portugueses mais lhe atribuíam. Na série de fotos que a seguir publicamos podemos ver que não é bem assim. No essencial, ele cumpriu o que prometeu, e com grande eficácia, pelo que deixamos aqui o nosso contributo para reparar a injustiça, bem como os nossos comentários.


Foto Nº1

Passos_foto_1

Bem. Ele querer, não queria. Mas eles obrigaram-no e lá teve que colocar os boys nos jobs. E não foi para dar empregos, somente. Foi para privatizar tudo e vender o País aos chineses. Esta intenção foi mais que cumprida.


Foto Nº 2

Passos_foto_3

Cumpriu com grande zelo. E sendo criminosa ele ainda anda à solta? Será que o Juiz Alexandre o vai prender antes das eleições e é por isso que ele anda com uma fúria privatizadora  tão assanhada, como se está ver…

View original post mais 477 palavras

As legislativas é que contam mas as presidenciais é que mexem

A Estátua de Sal

(Nicolau Santos, in Expresso Diário, 28/08/2015)

Nicolau Santos     Nicolau Santos

Decididamente, o mundo político está de pernas para o ar. Nas televisões vai-se vendo um esforçado António Costa a calcorrear o país para dar a conhecer a sua mensagem, mas a maioria está a fazer-se de morta. Como resultado, o que está mesmo a entusiasmar comentadores, analistas e comunicação social são mesmo as voltas e reviravoltas das candidaturas presidenciais.

Como resultado da estratégia da maioria, que quer falar muito pouco do passado e pronunciar-se apenas sobre alguns dos resultados económicos atuais e sobre o facto de nos ter salvo de sermos uma nova Grécia, a campanha tem sido morna, tirando algum picante decorrente de erros dos socialistas, martelados até à exaustão pela quinta coluna das redes sociais e que depois chega inevitavelmente aos media tradicionais. E tem sido tão morna que o próprio Presidente da República veio constatar esse facto, considerando…

View original post mais 468 palavras

Borboletas com asas de falcão

A Estátua de Sal

(Pedro Santos Guerreiro, in Expresso Diário, 25/08/2015)

Pedro Santos Guerreiro                  Pedro Santos Guerreiro

(Nota: Este texto só prova que a narrativa do Governo que diz que as taxas de juro da nossa dívida pública estão baixas, e que há crescimento económico, apesar de anémico,  devido à política económica seguida, é uma grande mistificação. Tem mais importância as decisões do Banco Central da China nos movimentos das taxas de juro e nas variações do preço do petróleo (logo nas perspetivas de crescimento económico) do que mil decisões e patranhas que Passos Coelho possa empreender e contar.) – Comentário, Estátua de Sal.

Qu ando filmou “Her”/“Uma História de Amor”, passado num tempo talvez não muito distante, Spike Jonze escolheu Xangai como cenário futurista da cidade onde pessoas namoram, saem à noite e dormem com sistemas operativos. Xangai é uma cidade frenética, em expansão permanente, uma Nova Iorque de néons ainda mais histriónicos e muito dinheiro a circular, uma…

View original post mais 605 palavras

A Hidra de duas cabeças

A Estátua de Sal

(Estátua de Sal, 21 de Agosto de 2015)

hidra-1_xl

“A hidra é um animal da mitologia grega com várias cabeças de serpente, sendo uma delas imortal, e corpo de dragão. Foi criada por Juno e era um dos doze trabalhos de Hércules. Era conhecida como “Hidra de Lerna“. O seu sangue assim como o seu hálito era venenoso. Se suas cabeças fossem cortadas, elas voltavam a nascer.”

Cada um tem a hidra que merece ou que pode ter. Portugal também tem a sua hidra de estimação. É a coligação PAF e também temos direito a duas cabeças, qual delas a mais venenosa, uma é a de Pedro, outra é a de Paulo, e tal como na mitologia, são inseparáveis, siamesas, uma faz PAF e outra faz PUF.

Ora, queria a oposição que a coligação se apresentasse aos debates para as legislativas cortando uma das cabeças da hidra…

View original post mais 1.331 palavras

Petróleo barato: as boas e as más notícias

A Estátua de Sal

(Paul De Grauwe, in Expresso, 22/08/2015)

Paul de Grawe                    Paul de Grawe

Embora os efeitos a curto prazo da descida dos preços do barril de crude sejam positivos, os efeitos a longo prazo não o são tanto.

Desde o princípio do verão, os preços do crude começaram de novo a cair. De mais de 60 dólares por barril em junho o petróleo caiu para aproximadamente 42 dólares. Há um ano o preço do crude era superior a cem dólares o barril. São quedas de preços fantásticas raramente vistas no mercado do petróleo. E são responsáveis pela recuperação económica de muitos países europeus. Isto não é surpresa. Uma descida desta grandeza significa que os consumidores que gastam uma parte significativa do seu orçamento em gasolina descobriram que depois de terem atestado o depósito ainda lhes sobra poder de compra para outros artigos.

Por outras palavras, a descida do preço do petróleo equivale a…

View original post mais 641 palavras

Sete razões para o PS não apoiar Maria de Belém

A Estátua de Sal

(Nicolau Santos, in Expresso Diário, 21/08/2015)

nicolau

Pessoalmente, Maria de Belém é uma pessoa encantadora, de uma enorme gentileza e que exerceu sem rasgo mas com competência as funções públicas que lhe têm sido confiadas. Mas a sua decisão de avançar com uma candidatura à Presidência da República tem obviamente de ser apreciada politicamente. E há sete razões para o PS não a apoiar.

1) Esta candidatura não nasce por convicção mas por reação – reação ao possível apoio do PS a Sampaio da Nóvoa, que alguns notáveis do PS não apadrinham nem aceitam. Não é um bom motivo para avançar. Até agora nunca Maria de Belém tinha dito uma palavra ou passado uma mensagem que permitisse adivinhar que o seu grande desígnio era um dia ocupar o Palácio de Belém.

2) Esta candidatura nasce contra a atual direção do PS. Maria de Belém era presidente do partido por indicação…

View original post mais 743 palavras

Os sucessos e insucessos do governo

A Estátua de Sal

(Alexandre Abreu in Expresso Diário, 19/08/2015)

Alexandre Abreu      Alexandre Abreu

É injusto limitarmo-nos aos indicadores macroeconómicos mais comuns para aferirmos os sucessos deste governo.

Pode-se apontar muitas críticas ao actual governo, mas há coisas que devem ser reconhecidas: a coligação tem um plano para o país, tem vindo a pôr esse plano em prática e tem uma máquina de propaganda bem oleada que tudo fará para garantir mais tempo para que esse plano seja posto em prática.

Neste momento, essa máquina de propaganda está apostada em contar uma história: o governo reivindica como sucesso seu a retoma recente do PIB e do emprego, mas enjeita qualquer responsabilidade pela contracção da economia e do emprego ao longo da primeira metade da legislatura.

Contar a história desta maneira requer que se enfatize a trajectória recente, especialmente o crescimento do PIB e do emprego nos últimos cinco ou seis trimestres, em detrimento do desempenho…

View original post mais 571 palavras