Terna é a noite

A Estátua de Sal

(Estátua de Sal, 24/06/2016)

exit

Resolvi dar a este texto o título de um conhecido romance de F. Scott Fitzgerald apesar de não ir tratar problemas de conjugalidade doentia, alcoolismo ou esquizofrenia. Contudo, depois de refletir um pouco mais, cheguei à conclusão que os temas estão mais próximos do que se poderia julgar.

 Estive pela noite dentro a seguir os desenvolvimentos do resultado da votação do referendo na Inglaterra. Brexit or not Brexit that was the question. Não me custou nada, pois, e faço já a minha declaração de interesses, sou um inveterado noctívago.

Foi curioso observar como à medida que o tempo passava e os votos iam sendo contados, a nuvem diáfana de fantasia com que a comunicação social embala as almas para que sorvam as narrativas mais convenientes, se foi esboroando. Com base numa sondagem, feita pela internet, divulgada 10 minutos após o fecho das urnas e que…

View original post mais 1.116 palavras

Advertisement

SINAIS DE FOGO – REINO LARANJA – por Soares Novais

A Viagem dos Argonautas

sinais de fogo

É  aos  pregadores  da “São Caetano”, à Lapa, que todos os canais proporcionam o maior número de horas televisivas. Assim, eles, os pequenos e grandes pastores do Reino Laranja, podem fazer as suas homílias contra o “público” e a favor do “privado”.

A confirmação daquilo que há muito se sabe é feita num estudo do Laboratório de Ciências da Comunicação do ISTE-IUL. O PSD é o partido com mais comentadores residentes e que simultaneamente são seus militantes (11). Seguem-se PS (7), Bloco de Esquerda (4), CDS/PP (3), “Livre” (1) e PCP (1). PEV e PAN simplesmente não contam para nenhum dos templos televisivos.

Não se pense, contudo, que a pregação laranja se queda pelos onze assumidos apóstolos. Outros há, que embora dizendo ser de outra seita – caso de Francisco Assis, por exemplo – são também eles fervorosos defensores do “céu” só para alguns escolhidos…;

Ou seja: num…

View original post mais 83 palavras

Vamos lá então falar sobre a Caixa

A Estátua de Sal

(Nicolau Santos, in Expresso, 18/06/2016)

nicolau

O PSD quer saber de quanto é que a Caixa Geral de Depósitos precisa para reforçar o seu capital e o que justifica esse montante. Quer o PSD saber e queremos todos nós. Mas se é para saber mesmo, então vamos começar a contar a história desde o princípio, quando em 1995 Rui Vilar abandonou a presidência da instituição. A partir daí, pouco a pouco, PS, PSD e CDS politizaram as sucessivas administrações da CGD e utilizaram-na para os seus objetivos, quer de negócios quer para pagar favores políticos. Passou a ser aceite como natural haver a quota de administradores do CDS (Celeste Cardona, Nuno Fernandes Thomaz…) e os presidentes deviam ser do PS quando o PSD estava no poder e vice-versa. Foi possível assistir a uma batalha entre um chairman (António de Sousa) e o CEO (Mira Amaral), acabando os dois na rua. Foi…

View original post mais 1.036 palavras

Chamar os bois pelos nomes

VAI E VEM

Augusto Santos Silva TSFO que aprecio em Augusto Santos Silva, além da inteligência e da capacidade política, é a frontalidade com que encara as situações e lhes dá o devido nome.

Numa entrevista à TSF, este sábado, na qualidade de ministro dos Negócios Estrangeiros, Santos Silva defendeu o projecto europeu, mostrando-se optimista em relação à permanência do Reino Unido na  UE mas não dramatizando as consequências de uma eventual saída. Numa análise lúcida e desapaixonada, o ministro dos Negócios Estrangeiros não deixou porém de exprimir uma dura crítica ao comportamento adoptado relativamente a Portugal por “funcionários” europeus. Disse o ministro:

O que Portugal não aguenta é um clima de ameaça constante, hostilização permanente, porque as expectativas são importantes em economia. Não há maneira de atrair investimento se houver funcionários a dizer isto vai falhar, isto vai falhar.“.

Santos Silva foi certeiro na qualificação das declarações que porta-vozes e outros funcionários europeus…

View original post mais 78 palavras

Durante muito tempo vai deixar de haver notícias

A Estátua de Sal

 (José Pacheco Pereira, in Sábado, 17/06/2016)

Autor Pacheco Pereira

Que fique bem claro que penso que o Campeonato Europeu de Futebol, ainda por cima com a participação de Portugal, é notícia e matéria de relevo noticioso. Não ponho nada disso em causa. Admito mesmo uma situação de cobertura noticiosa especial, com meios e tempo acima do normal. Mas não é isso que se passa. O que se passa é uma profunda anomalia e deriva dos media para se tornarem apenas puro entretenimento e deixarem de ter fronteiras entre géneros, com a canibalização de todas as emissões – a televisão é o melhor exemplo do que digo – pelo futebol. A lógica jornalística implicava que as principais notícias fossem dadas nos noticiários (e refiro-me a notícias e não ao penoso espectáculo de adeptos, jornalistas, políticos, etc., a dizer coisa nenhuma, a não ser a portugalidade descoberta pela via da bola). E depois…

View original post mais 639 palavras

Foi Dijsselbloem ou eu que caí do cavalo?

A Estátua de Sal

(Nicolau Santos, in Expresso Diário, 17/06/2016)

nicolau

Esta manhã, ainda ensonado, vi na televisão o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, a dizer que se devia aproveitar as historicamente baixas taxas de juro no Velho Continente para resolver a dívida excessiva dos países da zona euro. Como a declaração passou tão depressa e não encontrei ainda confirmação nos vários sites a que recorri, fiquei na dúvida se ouvi mal, se estava a sonhar ou se foi Dijsselbloem que caiu do cavalo. Já me explico.

Um dia, recebi um elogio viperino de um ex-ministro das Finanças deste país. “Você caiu do cavalo e bateu com a cabeça numa pedra? É que está a escrever muito melhor.” Pois a minha dúvida é se Dijsselbloem também não terá caído no cavalo e batido com a cabeça numa pedra para dizer o que disse – ou o que eu penso que o ouvi dizer.

É que…

View original post mais 504 palavras

Pobres amarelinhos, foram abandonados

A Estátua de Sal

(In Blog O Jumento, 13/06/2016)

amarelos

Que coisa tão estranha, os amarelinhos desapareceram! O cardeal esqueceu-se da sua evangelização da liberdade de escolha, a Cristas parece ter metido férias e os seus deputados jé nem se vestem de amarelo, até o traste de Massamá, que foi o primeiro a abandoná-los, anda a pular de causa em causa, a esperança de o país escorregar nalgum buraco.

O que é feito da preocupação pelos novos projectos educativos, com os professores que iam ficar desempregados, com o futuro das criancinhas, com os direitos contratuais? De um dia para o outro desapareceram, ainda apareceram disfarçados de branco, armados em fascistas à porta de um congresso partidário, mas bastou uma sondagem da Aximage para que tivessem desaparecido.

Como a causa não rende votos os líderes da direita que andaram tão empertigados calaram-se, parece que o próprio cardeal deverá ter percebido que não ia ganhar almas para…

View original post mais 246 palavras

A máquina da ignorância ao serviço da política que não ousa dizer o nome (II)

A Estátua de Sal

(José Pacheco Pereira, in Público, 11/06/2016)

Autor         Pacheco Pereira

Vale a pena a gente perder tempo com as inanidades que por aí se escrevem sobre “fascismo” e “comunismo”, ainda por cima supostamente “demonstradas”, como diz José Rodrigues dos Santos, num livro de ficção? Vale e não vale. Do ponto de vista intelectual e argumentativo, não vale. Nem são novas, nem são informadas, nem são interessantes, nem nada. O que vale é usá-las para mostrar o que elas significam: a possibilidade de, em 2016, se proferirem inanidades em público para voltar a uma variante de anticomunismo que a radicalização da vida política à direita precisa à falta de melhor para combater a “geringonça”. Não precisamos de tomá-las a sério no seu conteúdo e bramar que criticá-las é pôr em causa o “direito à liberdade de expressão”. Apetece-me nestes casos virar crente e dizer ao Senhor: “perdoai-lhes por que não sabem…

View original post mais 923 palavras

O que eu diria se fosse a um congresso do PSD…

A Estátua de Sal

(José Pacheco Pereira, in Sábado, 10/06/2016)

…onde não posso ir porque não sou delegado, não tive nenhum cargo que me desse esse direito por inerência e não quereria falar numa condição de favor em relação aos que têm o direito de lá estar. Aliás, essa hipótese já se colocou num dos primeiros congressos da era Passos Coelho e foi recusada pela direcção do partido. Aos energúmenos que nos partidos têm a sua única vida profissional e que adorariam essa ocasião para me apupar devo dizer-lhes que é para o lado em que durmo melhor. Já tive na vida muitas mais ocasiões de incómodo e riscos muito maiores, para me assustar com isso. Além disso seria uma honra, como se percebe deste texto.

Aqui vai, de fora, como se fosse lá dentro.

Ponham lá nas paredes das sedes do PSD…

Passavam menos de 15 dias sobre o 25 de Abril de…

View original post mais 895 palavras

SINAIS DE FOGO – PORTAS É O NOVO PÁROCO DE QUELUZ DE BAIXO – por Soares Novais

A Viagem dos Argonautas

sinais de fogocolombia

Muito em breve, Portas assume a sua condição de pároco de Queluz de Baixo”. Tal desígnio estava escrito nos céus e isso aqui foi dito na crónica com o título “Habemus Cristas”, publicada no dia 13 de Março.

A comissão fabriqueira de “Queluz de Baixo” é finória. O anterior pároco só podia ser substituído por outro de igual calibre. Ou seja, por um que também goste de beijar velhinhas e velhinhos, de dar abraços e palmadinhas nas costas.

E nisso o novo padre da paróquia de Queluz de Baixo, que já foi da igreja católica e agora se diz independente, é imbatível.

O padre Portas tem uma larga experiência: correu o país de feira em feira e até implorou a intervenção de Santa Luzia quando foi preciso expulsar as centenas de não crentes que povoavam os Estaleiros de Viana do Castelo.

Mais: tal como o anterior, o novo pároco tem…

View original post mais 131 palavras