Veríssimo: estamos sendo feitos de palhaços

Luíz Müller Blog

luis-fernando-verissimo

Do Veríssimo:

Depois da provável cassação da Dilma pelo Senado, ainda falta um ato para que se possa dizer que la commedia è finita: a absolvição do Eduardo Cunha. Nossa situação é como a ópera “Pagliacci”, uma tragicomédia, burlesca e triste ao mesmo tempo. E acaba mal. Há dias li numa pagina interna de um grande jornal de São Paulo que o Temer está recorrendo às mesmas ginásticas fiscais que podem condenar a Dilma. O fato mereceria um destaque maior, nem que fosse só pela ironia, mas não mereceu nem uma chamada na primeira página do próprio jornal e não foi mais mencionado em lugar algum.

A gente admira o justiceiro Sérgio Moro, mas acha perigoso alguém ter tanto poder assim, ainda mais depois da sua espantosa declaração de que provas ilícitas são admissíveis se colhidas de boa-fé, inaugurando uma novidade na nossa jurisprudência, a boa-fé presumida. Mas é…

View original post mais 243 palavras

Bons costumes

A Estátua de Sal

(Daniel Oliveira, in Expresso, 27/08/2016)

Autor                        Daniel Oliveira

Com aplauso do governo de Paris, várias cidades balneares francesas proibiram a utilização de burkinis na praia, medida entretanto suspensa, em algumas localidades, pela mais alta instância da justiça administrativa francesa. Apesar do nome, os burquínis tampam o corpo e o cabelo, deixando o rosto visível. Vi-os quando estive em praias turcas. Lá, ninguém incomodou a mulher que, ao meu lado, usava biquíni. Gostava que em França acontecesse o mesmo, no sentido inverso. “O acesso à praia será banido a todos os que não tiverem roupa de banho adequada que respeite os bons costumes e o secularismo”, lê-se no comunicado do presidente da Câmara de Cannes.

Dantes o Estado achava que as mulheres sérias se deviam tapar, hoje acha que se devem destapar. Sempre em nome dos “bons costumes”. A ministra da igualdade francesa diz que tapar o corpo é uma forma…

View original post mais 421 palavras

Há uma coisa com que concordo com Passos Coelho (e, diga-se de passagem, com o PCP)…

A Estátua de Sal

(José Pacheco Pereira, in Sábado, 19/08/2016)

Autor             Pacheco Pereira

…é que vai ser muito difícil com a actual política fazer crescer a nossa economia e o País. Temos, pois, três pessimistas, eu, Passos e o PCP, mas se todos pensamos que as coisas não vão correr bem, não é, como é óbvio pelas mesmas razões. Temos um ponto de vista comum sobre as consequências, mas divergimos completamente quanto às causas e às soluções.

De que política falamos, eu e o PCP? Da que está expressa nas chamadas “regras europeias”, verdadeiro programa de estagnação, na melhor das hipóteses, e portanto, a prazo, de recuo do País para uma cada vez maior dependência externa e periferização, sem efectiva melhoria das condições de vida da maioria dos portugueses. O PS está amarrado a essa política e já teve que fazer concessões bastantes (e pelos vistos pedem-lhe muito mais) para acabar por nem estar…

View original post mais 588 palavras

Fogo que arde e se vê

A Estátua de Sal

(João Quadros, in Jornal de Negócios, 19/08/2016)

quadros  João Quadros

Chegou tarde, mas chegou em força, a temporada de incêndios. Como sempre, nesta altura, há especialistas em incêndios nos sete canais.


Todos têm teorias sobre o que já devia ter sido feito, o que não se fez e o que não deviam ter desfeito. Chegando o fresco Setembro, já nunca mais ninguém pensa nisto. Depois, passam uns meses e vêm os especialistas nas cheias em Albufeira e Santarém, e o ano termina com a falta de limpa-neves na serra da Estrela (que tem a única estância de esqui do mundo que, quando neva, fecha). Já todos sabemos que, depois, fica tudo na mesma. A única medida para ajudar na prevenção dos incêndios em 2017 era aumentar o tamanho dos baldes das esfregonas, porque acaba sempre por ser o popular com o balde a lutar com o incêndio.

Confesso que pouco percebo…

View original post mais 494 palavras

Sempre que brilha o sol, naquela casa

A Estátua de Sal

(João Quadros, in Jornal de Negócios, 12/08/2016)

quadros João Quadros

Foi a meio das férias, que foram curtas, que dei pela polémica do IMI. Estava a apanhar sol na piscina de um hotel quando, graças ao Twitter, tomei conhecimento de que Assunção Cristas teria dito: “O sol já paga imposto!”

Como, por vezes, me esqueço de que o PP já não está no poder, fui logo untar-me com ecrã total com receio de que tivesse sido criado um imposto para o bronze. Aposto que a troika não desdenharia a ideia.

Lendo a notícia, à sombra, percebi que o CDS-PP classificava as alterações ao IMI como um “ataque directo à classe média” – fiquei ainda mais confuso, estava convencido de que a classe média tinha acabado depois dos anos de governo PàF.

Na verdade, o que Cristas destacava nas alterações do IMI era uma lei que tinha sido criada pelo seu governo…

View original post mais 478 palavras

MUNDO CÃO – O ESTADO DO MUNDO NÃO É UM GOLPE DE AZAR – por José Goulão

A Viagem dos Argonautas

Mundo Cão

blair01

Poucas situações geram um tão elevado número de opiniões coincidentes como a do estado desgraçado em que o mundo se encontra. Exceptuando os donos da opulência, poucos em número embora soberanos no poder, os tolos que argumentam com um optimismo incurável enquanto o sangue da tragédia humana planetária jorra em cascata sob os seus olhos, e os iludidos crentes de vários matizes que, contra todas as evidências, ainda acham que as divindades vão curar as chagas cada vez mais profundas, a esmagadora maioria dos seres terrestres, pelo menos no íntimo das suas consciências, não duvidam da situação dramática a que isto chegou.

O objectivo deste escrito não é o de enumerar as guerras, relatar os casos identificados de rapina global, as operações gananciosas e impunes para destruição do planeta. As atrocidades são tantas, e engendradas segundo artifícios tão diversificados, que o risco seria o de banalizar os crimes e deixá-los…

View original post mais 719 palavras

Sobre as Olimpíadas: O dia em que a Globo se dobrou ao Lula (A Globo apagou, mas a gente mostra aqui

Luíz Müller Blog

A Globo e a grande mídia fizeram retrospectivas sobre a vinda da olimpíadas ao Brasil. A Globo, descaradamente apagou a principal parte desta história, que se deu em 2009. Naquela ´época a Globo deu uma bela cobertura, que hoje ela esconde. Mas o Brasil 247 postou e a gente republica aqui o vídeo que mostra como a Olimpíada chegou ao Brasil e quem esteve lá se esforçando e convencendo o mundo de que o Brasil era bom o bastante para ter a Olimpíada. Assista o Vídeo. Ele fala por si:

globo lula

Vai o vídeo:

View original post

A operação

A Estátua de Sal

(Joseph Praetorius, in Facebook, 08/08/2016)

prae2 Joseph Praetorius

O caso Sócrates conheceu há dias mais novidades, nem mais nem menos indecorosas que as novidades anteriores.
Centremos as coisas onde sempre estiveram.
José Sócrates foi detido, sob pretexto de perigo de fuga, quando regressava ao país; a prisão preventiva decretou-se com invocação de “fortes indícios” de corrupção para acto ilícito.
Correram dez meses de prisão preventiva (com quase outrotanto em liberdade provisória) e o Ministério Público ainda não conseguiu dizer que acto ilícito seria esse, embora tenha – com aquela técnica da cara séria com que o MP faz as mais desvairadas asneiras – atirado o barro à parede com uma Lei regularmente votada sob proposta elaborada pelo Ministro das Finanças (que permitia e estimulava o regresso ao país de recursos financeiros em fuga).
E verificando-se que isso era um disparate insustentável, descobriu-se a “nova solução” de Vale de Lobo que uma…

View original post mais 697 palavras

Descer a Rodrigues dos Santos

A Estátua de Sal

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 17/06/2016)

Autor                               Daniel Oliveira

A má literatura, escrita a metro e pobre em recursos estilísticos, não me incomoda. Não leio mais do que duas páginas e sei que, venda o que vender (e no caso de José Rodrigues dos Santos vende muito), terá o mesmo destino de quase tudo o que é mau: quando os seus autores se vão deste mundo a obra vai com eles. O mau gosto dos leitores costuma ser resolvido com a justiça do tempo, não carregando as costas das próximas gerações com o lixo do passado. Terão apenas de suportar a mediocridade contemporânea e viver na ilusão de que antes só se faziam as coisas aceitáveis que passaram a implacável peneira da História para lhes chegar às mãos.

Ainda assim, e sei que isto choca as almas mais democráticas e igualitárias, há mundos que não é suposto tocarem-se sem estarem…

View original post mais 1.331 palavras