A Gata Borralheira

A Estátua de Sal

(Daniel Oliveira, Expresso, 14/03/2015)

         Daniel Oliveira                         Daniel Oliveira

Há dois Cavacos. Um é político profissional há mais de três décadas. Outro fala da atividade política com desprezo. Um participou em três eleições legislativas e três presidenciais. Outro sente à distância, enojado, o cheiro pútrido da campanha eleitoral. Um diz que é preciso nascer três vezes para ser mais honesto do que ele. O outro lucrou com a venda de ações da SLN, que comprou e vendeu fora do mercado bolsista com um lucro impossível, determinado pelo seu amigo Oliveira Costa. Um faz o número do asceta. Outro diz que 10 mil euros não lhe chegam para as despesas. Um queixa-se da má moeda na política. Outro teve ao seu lado Dias Loureiro, Duarte Lima e os homens que construiriam o BPN. Um choca-se com as “lutas político-partidárias” que não se concentram na pobreza e na competitividade do país. Outro plantou na…

View original post mais 416 palavras

Catroga, Bento, Silva Lopes e quem levou o país ao charco

A Estátua de Sal

(Nicolau Santos, in Expresso Diário, 11/05/2015)

Nicolau Santos      Nicolau Santos

Há uma ideia pisada e repisada que há de ser usada milhentas vezes durante a próxima campanha eleitoral: foram os socialistas que conduziram o país à bancarrota e ao pedido de ajuda internacional. Mas para lá da árvore, às vezes é preciso ver a floresta. Eduardo Catroga e Vítor Bento, economistas acima de qualquer suspeita de simpatia para com o PS, vêm colocar em causa esta visão redutora. E Silva Lopes, através da sua última entrevista, acrescenta alguma coisa a esse olhar.

Note-se que ninguém está a colocar em causa que o governo socialista cometeu erros, uns induzidos pela Comissão Europeia (meter dinheiro em força na economia, em áreas como a energia ou em investimentos de proximidade, como na recuperação do parque escolar, através de Parcerias Público-Privadas – os documentos estão disponíveis e esta lá tudo, assinado por Durão Barroso…

View original post mais 551 palavras

Visto prévio

A Estátua de Sal

(Pedro Adão e Silva, in Expresso, 01/05/2015)

Pedro Adão e Silva                     Pedro Adão e Silva

Todos os partidos têm incentivos para colaborar na transformação da disputa programática numa competição auditada tecnocraticamente.

Andou por aí uma grande indignação por força de um visto prévio que os media teriam de obter para cobrir campanhas eleitorais. Se por acaso um marciano tivesse aterrado em Portugal na sexta-feira, teria ficado convencido que a democracia corria sério risco. A proposta visava resolver um problema, mas, como tende a acontecer muitas vezes, era de tal forma estapafúrdia que tinha o condão de criar problemas maiores no seu lugar.

Como rapidamente se percebeu, a solução que estava a ser gizada foi para o caixote de lixo dos trabalhos parlamentares e não mais se ouvirá falar do tema. Ou talvez não seja assim.

Nesta semana, o visto prévio regressou, ainda que travestido e noutro domínio. Curiosamente, os mesmos que haviam expressado…

View original post mais 332 palavras

O BLÁ, BLÁ, BLÁ DO B.H.L.

A Estátua de Sal

(Clara Ferreira Alves, in Expresso, 01/05/2015)

Clara Ferreira Alves                                Clara Ferreira Alves

A democracia é uma lenta transição e não um ato imediato e não podemos esperar que uma primavera faça num ano o que fizemos em séculos.

Novecentas pessoas afogadas numa semana é uma tragédia que deixou a Europa “horrorizada”. Noventa mil pessoas mortas na guerra é um facto da vida. Há anos que a Europa sabe dos afogamentos, naufrágios e desastres do Estreito de Gibraltar. Nas praias da costa de Cádis jazem os despojos da “tragédia”. Roupas, sacos de plástico, sapatos. E cadáveres inchados. A Europa não quis pensar neste problema e estabeleceu um “cordão sanitário” que separa as vidas boas das vidas más. Nos campos de internamento dos enclaves de Ceuta e Melilla, os africanos esperam Godot. Nas zonas de Casiago, Castillejos e nos montes de Tetuão e Tânger (em Marrocos), mais de trinta mil subsarianos esperam para entrar…

View original post mais 665 palavras