Pedro Arroja o…?

Farrusco

Um artigo de Joao Madeira no I Bem interessante sobre uma especie rara: Pedro Arroja!

arroja

Destacam-se algumas pérolas desta personagem surreal:

Uma longa entrevista à “Grande Reportagem” no início dos anos 90, à jornalista Fernanda Câncio, explanou o seu pensamento. Em termos ideológicos, Arroja pode considerar-se um economista liberal, mas com mais condimento do que o habitual. Se os liberais clássicos defendem a saída do Estado da economia, Arroja defende a saída do Estado de tudo o que mexa. Na entrevista, defendeu a privatização da polícia, a privatização dos tribunais e o fim da legislação que impede o trabalho infantil. “Se a criança vai ou não trabalhar, é com os pais”.

Acabaria com o ensino obrigatório e defendeu a mercantilização das eleições, com a livre compra e venda de votos. “É precisamente a pensar nos pobres que eu punha a questão da transacção do voto. Se uma pessoa tem direito…

View original post mais 117 palavras

Anúncios

O desespero é mau conselheiro

A Estátua de Sal

(José Vítor Malheiros, in Público, 21/10/2015)

José Vítor Malheiros     José Vítor Malheiros

Primeiro, foi a alegria de ser a candidatura mais votada.

Depois, a preocupação ao constatar que afinal a maioria era de esquerda.

A seguir o terror por o PS, BE e PCP estarem a caminho de um entendimento parlamentar. Finalmente o desespero por o acordo de esquerda estar a chegar a bom porto.

Só que o desespero é mau conselheiro e vieram as acusações de “fraude”, “usurpação”, “golpe de estado” e os outros disparates como “o partido que tem mais votos deve governar”.

Uma das formas que este desespero está a tomar (e uma das razões por que a coligação PSD-CDS insiste na indigitação de Pedro Passos Coelho por Cavaco Silva) é a tentativa de pressionar os deputados do PS simpatizantes de uma solução “Bloco Central” a viabilizar o governo minoritário.

Aqui sim, seria uma verdadeira vitória na secretaria e…

View original post mais 264 palavras

O nervosismo, a falta de tino, e as orações de Passos Coelho

A Estátua de Sal

(Estátua de Sal, 18/10/2015)

passos_reza2

O País continua em crise. O desemprego está aí. A dívida continua a trepar. E ainda não vimos tudo, pois parece que ainda há muitos esqueletos escondidos no armário, segundo insinuou António Costa na última entrevista à TVI.

Mas eu antevejo que a crise está em vias de acabar para os psiquiatras e para as farmácias. Os plumitivos da direita devem já ter esgotado as marcações nas agendas dos doutores da mente e os stocks de antidepressivos devem estar a atingir os mínimos das últimas décadas.

Não dormem. Entraram no discurso delirante dos esquizofrénicos e ouvem vozes e acordam a suar ao som de acordes fortes da Internacional. Que susto e que incómodo. A assombração é perderem o poder – tal causa sempre calafrios -, e sobretudo perderem-no para um governo do PS apoiado pelo PCP e pelo BE: “vade retro, Satanás”, sussurram entre dois goles…

View original post mais 1.711 palavras

Quem semeia ventos recolhe tempestades

A Estátua de Sal

(José Pacheco Pereira, in Público, 17/10/2015)

Pacheco Pereira              Pacheco Pereira

Esta “coligação negativa” é a resposta à outra “coligação negativa”, a do PSD-CDS, que assim funcionou nos últimos quatro anos.


1. Quem semeou os ventos do modo como se respondeu na Europa à crise financeira e bancária, dos produtos tóxicos e dos bancos perto da falência recolheu a tempestade de uma “economia que mata”. Os bancos foram salvos, pelo menos para já, mas o crescimento estagnou ou andou para trás, as diferenciações sociais agravaram-se, o desemprego cresceu exponencialmente, os salários baixaram, os direitos laborais diminuíram, quando não foram extintos, as disfunções sociais agravaram-se. Todas. Veja-se a “crise dos refugiados”, espelho do estado da Europa.

2. Quem semeou os ventos da passagem da crise tóxica dos bancos para a “crise das dívidas soberanas”, uma invenção política alemã cujos efeitos perversos alargaram e aprofundaram a crise nos países do Sul, mas também em…

View original post mais 1.335 palavras

A ver se a gente se entende

VAI E VEM

Passos no RatoPassos Coelho e Paulo Portas passaram a pré-campanha e a campanha eleitoral a arrasarem o cenário macroeconómico e o programa eleitoral do PS. Passos deu entrevistas antes mesmo da campanha jurando que não faria qualquer acordo pós-eleitoral com o PS. Portas e o seu discípulo predilecto, Nuno Melo, achincalharam quanto puderam António Costa e o PS. Programa de governo da coligação, nem vê-lo. O programa eleitoral era o PEC enviado meses antes para Bruxelas, em que o dado mais relevante é um corte de 600 milhões nas pensões de reforma. Isto é apenas um pequeno resumo do passado recente.

Recuando às legislativas de 2011, Passos candidatou-se com um programa que nunca cumpriu. Todos nos lembramos das promessas de que não cortaria os subsídios de férias e de Natal e depois foi o que se viu. Durante a campanha mentiu com quantos dentes tinha, dizendo que não conhecia o PEC  IV…

View original post mais 566 palavras

Há mais mentira para além do déficit

A Estátua de Sal

(Estátua de Sal, 29/09/2015)

PAF_AST

Este governo chegou ao poder com base nas falsas promessas, que sabia falsas, e com base na crítica aos supostos desvarios do governo anterior na gestão das contas públicas, pretendendo vender uma imagem de probidade e rigor na gestão do Estado.

Pois bem, hoje veio a saber-se que afinal, manipula as contas públicas de forma a que o deficit tenha melhor aspeto, de forma a enganar os portugueses, e a própria Comissão Europeia, podendo assim vangloriar-se de louros que não tem e de méritos que as políticas de desastre que seguiu manifestamente não possuem. Afinal, contrariamente ao que Passos badala por aí, nesse aspeto, Portugal é como a Grécia.

Parece que não é só Ricardo Salgado que falsifica contabilidades, e a Volkswagen que falseia testes aos motores. Passos e Maria Luís, também falseiam dados das empresas públicas para embelezarem os efeitos das suas políticas de devastação.

View original post mais 528 palavras

Albergue Espanhol

Um site WordPress.com de primeira

DER TERRORIST

Um site WordPress.com de primeira

ABRUPTO

Um site WordPress.com de primeira