Mentiras Gerais

A Estátua de Sal

(Baptista Bastos, in Correio da Manhã, 11/05/2016)

bb1 Baptista Bastos

Foi penosa a entrevista do Durão Barroso ao Ricardo Costa. Para quê ouvir alguém que nada tem para dizer, a não ser dislates e banalidades? Aquilo cheirava a frete e converteu-se num embuste. Jorge Sampaio manifestou-se “perplexo” com as declarações do entrevistado sobre a Cimeira dos Açores, aclarando que a terminologia então utilizada pelo Barroso não correspondia à verdade do que estava em jogo. Afinal, era uma reunião para a guerra e não para a paz, como lhe fora garantido. A “perplexidade” de Sampaio traduz-se na circunstância de ter sido enganado, e o Barroso diz, agora, que o mentiroso é o Bush.

Estamos em pleno delírio interpretativo. A omissão, a mentira, como instrumentos. Surge, no proscénio, o Passos Coelho. O homem demonstra um acabrunhamento, uma soturnidade dolorosos. Ainda se não habituou à evidência de que foi escorraçado do poder. Perpassa, nos…

View original post mais 157 palavras

Dez princípios que acredito serem verdade

Verdade na Prática

1. Todos prestarão contas a Deus de cada uma de suas ações e suas palavras.

2. Aquilo que cada um semear nesta vida, também colherá em algum momento da vida.

3. Nenhuma atitude de maldade, seja em obras, palavras ou pensamentos passará despercebida aos olhos de Deus.

4. Muitos deixaram de acolher anjos ao deixarem de acolher o necessitado.

5. Nossas ações são bem mais observadas do que pensamos, nossa voz é ouvida mais além do que presumimos e nossa motivação bem mais óbvia do que imaginamos.

6. Ao cão fere-se várias vezes e ele volta, seu instinto tem mais força que sua memória. Ao ser humano fere-se uma vez e poderá perdê-lo para sempre, sua memória eterniza a ferida.

7. Os mais velhos e sábios sãos mais caridosos pois já passaram por muitos caminhos.

8. A morte é um mal inevitável e tudo o que construímos será de outros.

View original post mais 24 palavras

CM ameaça Costa: ou nós, ou Sócrates.

Alerta Jornal

costa marão

A nova estratégia editorial do Correio da Manhã está definida: ou nós, ou o caos. A seguir à inauguração do Túnel do Marão, o Correio da Manhã fez o maior ataque a António Costa e ao Partido Socialista, desde as últimas eleições. As capas, notícias, editoriais e opiniões dos diretores que se seguiram são claras: se o governo, ainda que de forma institucional, se relacionar com José Sócrates, não haverá tréguas!

Logo no dia da inauguração do Túnel do Marão (07-05, sábado), o Correio da Manhã começou o ataque ao Governo socialista e a António Costa: publicou uma fotografia on-line do Primeiro-ministro que lançou a obra, Sócrates, tirada com autarcas locais. O título não deixava dúvidas, “Sócrates anula Costa”.

A parada do CM é altíssima. A repórter enviada para a cobertura da cerimónia foi nada mais, nada menos, que Tânia Laranjo a especialista do CM em corredores de tribunais e…

View original post mais 327 palavras

Bélgica proíbe celular para crianças

Poluição Eletromagnética. O mal que atinge a todos sem ser percebido

Imagem

Por aumento do risco de Câncer no cérebro, novo regulamento para a venda de telefones celulares a partir de 1 de março de 2014 proíbe venda de telefones celulares para crianças. Além disso, a taxa de absorção específica (SAR) tem que ser exibidos para cada telefone celular no ponto de venda inclusive nas vendas pela internet.

Venda de telefones celulares para crianças proibidas

Desde 1 de Março de 2014, os celulares que são especialmente concebidos para as crianças já não poderão ser introduzidos no mercado belga. Trata-se de telefones móveis personalizados adequados para crianças menores de 7 anos de idade, por exemplo, ter alguns botões e uma forma atraente para as crianças. Além disso, a partir desta data, nenhuma publicidade pode ser feita para uso do telefone celular entre a mesma faixa etária.
Taxa de Absorção Específica (SAR) passa se tornar informação obrigatória ao consumidor
Quando você compra um novo telefone celular, a partir…

View original post mais 395 palavras

Os anti-intelectuais

Blog

Ruy Fausto, professor emérito da USP (Filosofia)

Untitled-1O Estadão de domingo, 27 de março, publica, em “notas e informações”, um texto com o título “Os anti-intelectuais”, a propósito dos manifestos e abaixo-assinados de intelectuais e artistas contrários ao impeachment, texto que merece reflexão.

O artigo começa assim: “Mesmo diante das volumosas evidências de que o lulopetismo é autoritário por natureza, mesmo que abundem provas de que o chefão Luís Inácio Lula da Silva e seus seguidores tramam à luz do dia contra as instituições republicanas, mesmo que seja clara a ânsia da tigrada de calar a imprensa livre e favorecer o jornalismo companheiro a serviço do pensamento único, ainda assim há intelectuais – ao menos é assim que eles se identificam – que se dispõem a defender, em nome de um suposto espírito democrático, um governo e um partido cada vez mais identificado com tudo aquilo que ofende a democracia e…

View original post mais 1.911 palavras

O problema dos grandes partidos

A Estátua de Sal

(José Pacheco Pereira, in Sábado, 06/05/2016)

Autor               Pacheco Pereira

Existe um problema com os grandes partidos, o PS e o PSD? Existe e não é pequeno. Nem um nem outro estão perto de corresponderem às necessidades dos actuais tempos portugueses. Nem um nem outro são capazes de qualquer renovação significativa, embora o PSD a tenha feito mais do que o PS, mas para pior. Nenhum tem hoje qualquer capacidade de mobilização própria fora de eleições, não agregam por mérito os sectores mais dinâmicos da sociedade, não produzem ideias, nem políticas novas, estão lá à espera da mudança dos ciclos políticos e mesmo assim sem grande eficácia.

O PS pode estar hoje no Governo, mas nunca se deve esquecer que perdeu as últimas eleições. Repito: perdeu as últimas eleições. E também não se deve esquecer, e às vezes parece, que para manter o Governo tal como ele é, um Governo “novo”…

View original post mais 795 palavras

Agora eles protestam

A Estátua de Sal

(Baptista Bastos, in Correio da Manhã, 04/05/2016)

.

.

Corre por aí um manifesto contra a «espanholização» da banca. Os signatários, gente considerável, insurgem-se com os processos que tendem, cada vez mais, a minimizar o sistema bancário português. Mas isto é o «mercado», a «globalização», tão louvados por eles mesmos, como decorrência do sacrossanto neoliberalismo.

A mesma «abertura» que impeliu, há dias, os suinicultores a ir para a rua, em várias cidades, protestando contra a «invasão espanhola», que dizima a produção nacional e os coloca numa situação de letal sufoco. Outros sectores da pecuária e, de um modo geral, da agricultura portuguesa e das pescas sofrem a competição desleal de outros países, sem que os governos consigam alterar as imposições da ordem nova, com as regras de «abertura» total. Reina a lei do mais forte. Já decapitaram as pescas, a lavoura, o mundo do trabalho; já determinaram o método e…

View original post mais 159 palavras

A UBERIZAÇÃO DA EUROPA VISTA ATRAVÉS DAS LEIS DO TRABALHO IMPOSTAS EM FRANÇA E NA ITÁLIA – 1. UMA SÓ SOLUÇÃO, A DESMUNDIALIZAÇÃO. DEBATE SOBRE A LEI EL KHOMRI – por AURÉLIEN BERNIER

A Viagem dos Argonautas

mapa_franca

Selecção e tradução por Júlio Marques Mota

introduçãoUma só solução, a desmundialização. Debate sobre a lei  El Khomri

Causeur_svg

Aurélien BernierUne seule solution, la démondialisation. Débat sur la loi El Khomri

Revista Causeur, 9 de Abril de 2016

A lei EL  Khomri lança-nos numa corrida ao  dumping social que nunca ganharemos.

El Khomri - IManifestação em Nantes  (Poto : SIPA.00746210_000011)

 

O conteúdo do projecto de lei EL  Khomri não deveria surpreender ninguém. Este texto inscreve-se num  longo e vasto movimento de desregulação do mercado do trabalho iniciado a partir da segunda metade dos anos 1970, quando os primeiros efeitos da concorrência internacional – a que se chamava  então “o constrangimento externo” – começara  a atingir  a Europa Ocidental. Repetido à exaustão  desde há  uma quarentena de anos, o argumento é sempre o mesmo: para ganhar em competitividade, é necessário flexibilizar o mercado do trabalho. Por outras palavras, deve-se   ceder às exigências  do…

View original post mais 917 palavras