Mario Draghi salva-nos das Cassandras

A Estátua de Sal

(Nicolau Santos, in Expresso, 12/03/2016)

nicolau

Depois do patético debate semântico entre o presidente do Eurogrupo e o vice-presidente da Comissão Europeia, Jeroen Dijsselbloen e Pierre Moscovici, com o primeiro a dizer desconhecer a diferença entre “se” e “quando” Portugal teria de aplicar medidas adicionais de austeridade, e o segundo a dizer que viria a Lisboa esclarecer a diferença, o certo é que Moscovici passou por cá e depois de reuniões com Mário Centeno e António Costa (que voltou a garantir que não há qualquer plano B) disse que não discutiu com o Governo português medidas adicionais, remetendo para maio um eventual orçamento retificativo, que na opinião das instituições europeias será inevitável. É espantoso que um orçamento que ainda não foi sequer aprovado pela Assembleia da República mas cujas linhas gerais mereceram luz verde da Comissão e do Eurogrupo seja já considerado por estas instituições como um nado-morto. Mas, como é…

View original post mais 914 palavras

Advertisement

Sr Ministro cale-se!

Farrusco

Esta sexta em famalicao o Ministro da economia lembrou-se de apelar ao “civismo” da população da fronteira com Espanha, pedindo-lhe para que não abasteça os depósitos dos seus carros nos postos do país vizinho.

Sr Ministro aquilo que os portugueses poupam indo abastecer os carros a Espanha serve para, em muitos casos, por comida na mesa.

Neste caso apelar ao civismo de barriga cheia é facil, apelar a quem tem a barriga cheia faz sentido, mas faze-lo a quem vive mal é feio, muito feio, para nao dizer outra coisa Sr Ministro!

View original post

Terroristas: Como aderem, como nos olham e como agem entre nós.

Farrusco

O jornalista Hernâni Carvalho acabou de lançar um livro com um tema bem actual: “Terroristas: Como aderem, como nos olham e como agem entre nós.”

Ontem numa conversa na RR falou sobre o livro e revelou algumas curiosidades, particularmente as razoes pelas quais Portugal estará, em principio, a salvo de ataques terroristas praticados pelo Daesh.

 

View original post

Um e o outro

A Estátua de Sal

(Baptista Bastos, in Correio da Manhã, 09/03/2016)

bb1 Baptista Bastos

O que sai é a tristeza balofa, o rancor cabisbaixo. O que entra é o sorriso alegre.

O que vai embora não deixa saudades; pelo contrário: é um alívio. O que entra é naturalmente melhor pela qualidade do estilo, pela cultura e pela familiaridade sorridente com que se nos dirige. Pior ou mesmo igual ao que sai é impossível. O Marques Mendes bem tentou repintar a imagem do homem de quem se não gosta, mas os factos aí estão para provar a desfeita de uma História repleta de iniquidades e de soberba, protagonizada por quem se construiu na soberba e na iniquidade. Basta lembrar a última sessão de condecorações, a omissão ao mundo do trabalho e a definição que ele fez de “heróis” para o qualificar e às suas escolhas.

O que entra não desconhece que “Os Lusíadas” contêm dez cantos…

View original post mais 199 palavras

Paquistaneses interessados no Porto de Sines.

Notícias de Sines

card_porto_sines_090316.jpg

A Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, deslocou-se ontem a Sines, para a inauguração da Friopuerto, que recentemente investiu dois milhões de euros num entreposto frigorífico no complexo portuário. Nesta visita com a Ministra do Mar, estava o Ministro federal dos portos de navegação do Paquistão, que manifestou o interesse de investir em Sines. O governante do Paquistão manifestou a disponibilidade de investimento, sendo que esse investimento deverá ser englobado num segundo terminal de contentores, que já tinha sido mencionado como futura hipótese pela Ministra. O Paquistão encontra-se na passagem da rota marítima que se inicia no  Japão, passando pela China, Coreia do Sul, Taiwan, Singapura e Índia, utilizando o Canal do Suez, em direcção à Europa. Sines possui um porto de águas profundas, capaz de receber os navios post-panamax de última geração e possui espaço para alargar a área confinada ao sector contentorizado, o que são factores atractivos para os investidores asiáticos.  Em…

View original post mais 72 palavras

O governador revisita o PEC IV

A Estátua de Sal

.(Nicolau Santos, in Expresso Diário, 07/03/2016)

nicolau

As coisas são o que são e não voltam para trás. Mas o pedido de ajuda internacional, a que Portugal recorreu em 2011, é uma história ainda muito mal contada. Em entrevista ao Expresso, o governador do Banco de Portugal lança alguma luz sobre o assunto – e dá razão aqueles que dizem que podíamos ter tido outro tipo de apoio dos nossos parceiros internacionais.

Sim, o PSD de Passos Coelho e o CDS de Paulo Portas fizeram uma enorme barragem comunicacional em torno do PEC IV, que chumbaram, levando com isso à demissão do governo Sócrates, à convocação de eleições e a um pedido de ajuda internacional de 78 mil milhões de euros, acompanhados de condições draconianas que lançaram o pais para três anos de recessão, a falência de milhares de empresas, a emigração de mais de meio milhão de pessoas e…

View original post mais 805 palavras

Novo Vídeo de Ana Moura filmado em Sines

Notícias de Sines

“Tens os Olhos de Deus” é o segundo single do álbum “Moura”, tem letra e música de Pedro Abrunhosa e um novo vídeo realizado por Bruno Ferreira.

ana-moura-tens-os-olhos-de-deus-video_770x433_acf_cropped (1)

Foi publicado na passada quinta-feira o vídeo do segundo single de Moura, o sexto álbum de estúdio de Ana Moura. Chama-se “Tens os Olhos de Deus” e é uma canção com letra e música de Pedro Abrunhosa. O vídeo rodado na costa alentejana, na zona industrial de Sines.

Realizado por Bruno Ferreira, que já trabalhou com os PAUS e com os Linda Martini, este vídeo é uma história de contrastes. O conto de amor adolescente tem como pano de fundo o campo e o mar, mas é na paisagem industrial que sobressai o lado escuro e triste, que reforça a intensidade da letra e acrescenta (ainda mais) profundidade à voz da fadista.

Esta sexta-feira é posta à venda a edição em vinil…

View original post mais 70 palavras

Ó tempo, volta para trás

A Estátua de Sal

(José Pacheco Pereira, in Público, 05/06/2016)

Autor          Pacheco Pereira

O PS sabe muito bem o que aí vem e que precisa de ter uma resposta política concertada face às exigências “europeias” e que estão longe de poder ser acomodadas por um qualquer pacífico Plano B.


Quem veja nestes dias um noticiário da televisão sem som parece que o tempo andou para trás. Passos Coelho passeia-se por feiras e encontros de empresários, “inaugura” escolas em autarquias do PSD, tratado como primeiro-ministro, com a postura oficial de um primeiro-ministro, com a bandeira da lapela usada pelos membros do seu Governo e que continua a usar para não deixar dúvidas que se considera ele próprio o primeiro-ministro com direito ao cargo, que outros usurparam numa espécie de golpe de Estado.

O mais interessante é que faz todas estas coisas no âmbito de uma campanha eleitoral interna para a liderança de um partido político…

View original post mais 1.134 palavras

A dra. Maria Luís já não vai ser líder do PSD

A Estátua de Sal

(Nicolau Santos, in Expresso Diário, 04/03/2016)

nicolau

Ao princípio, poucos davam por ela. Tinha sido professora de Passos Coelho e por isso ocupava a pasta de secretária de Estado do Tesouro. Mas a estrela do primeiro Governo PSD/CDS era Vítor Gaspar, o todo poderoso ministro das Finanças. Quando ele se demitiu, a ascensão de Maria Luís ao cargo foi vista como uma segunda escolha. Puro engano. Maria Luís afirmou-se técnica e politicamente, tendo ganho inclusive elogios internacionais, como o do ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schauble. Daí a ser vista como uma potencial sucessora de Passos Coelho se o PSD perdesse as eleições de 4 de outubro foi um passo de anão. Como se sabe, o PSD ganhou mesmo as eleições, mas a coligação de centro-direita não conseguiu fazer passar o seu Governo no Parlamento e o país ganhou um inusitado Governo do PS, apoiado pelos partidos à sua esquerda, BE…

View original post mais 451 palavras

Honra ao jornalismo digno

A Estátua de Sal

(Baptista Bastos, in Jornal de Negócios, 04/03/2016)

bb1 Baptista Bastos

A ascensão da economia a lugar de importância, mesmo relativa, transformou o jornalismo numa mácula desavergonhada. O “economês” destruiu a reportagem e a pesquisa, e reduziu a notícia a uma mascarada.


Nicolau Santos, um dos dois ou três jornalistas (não mais) que merecem ser lidos porque recusam o “pensamento único” e escrevem segundo a sua consciência moral, assinou um texto no qual assinala a subserviência da comunicação social portuguesa. Li-o no “sítio” da Associação 25 de Abril, que costuma reproduzir aqueles comentários fugidos à rede do “sistema.” Como, há muitos anos, deixei de frequentar o Expresso, que publica as opiniões de Nicolau Santos, nem sempre acompanho os seus comentários. Este, a que me refiro, verbera a Imprensa, em geral, por ser tão pressurosa em noticiar tudo o que critica Costa e o seu Governo, e omissa quando o sinal é contrário…

View original post mais 449 palavras